Category: Pessoal


TedxLuanda1

Com o post acima, marquei o final de um dia que se revelou uma autêntica maratona intelectual e motivacional.

Entre os distintos oradores do TEDxLuanda 2013, que partilharam visões e relatos de experiências de vida reflectindo a criatividade, perseverança, humanismo, sucesso, bom senso, rigor profissional,  com algumas pitadas de loucura e humor, houve quem realmente soube cativar e envolver com a sua retórica os presentes ao evento.

E como espírito é mesmo o da partilha, e aproveitando que já estão disponíveis todos os vídeos, publicarei as apresentações que considerei marcantes, começando pela de  Miguel Gonçalves que falando do seu trabalho, soube também revelar verdades e passar orientações para os Candidatos ao Mercado de Trabalho, na perspectiva das escolhas convenientes, estratégias delineadas, metas a alcançarem-se e desafios a serem ultrapassados.

Deliciem-se pois valerá a pena!!! 😉



Olhando as notificações do facebook, acabei sendo brindado por este vídeo inspirador postado pelo meu amigo Telmo com a seguinte descrição:

Te atreves a sonhar? Do you dare to dream?
E mais um video que todo mudo deveria ver pelo menos … uma vez

E realmente considero-o valioso e encorajador para os que se encontram na incerteza da tomada de decisão sobre o caminho a tomarem na construção do seu futuro.

Toca lá dar uma olhada! 🙂

 

Este pode ser considerado um “Fast-post” pois serei super breve nas palavras, já que tenho corrido quase que em contra-relógio para poder honrar outros compromissos. Contudo, nada de alarmismo que o dia para sacudir a poeira deste espaço esta prestes a chegar! 🙂

Então, passando à boa-nova, informo que o domínio de busca do Google para Angola  (www.google.co.ao) que inicialmente era somente em Português, agora surge com a opção para o visualizarmos em Kikongo, sendo esta uma das línguas nacionais do nosso país.

E prontos, assim é a Google!… (termino com reticências pois, pelos vistos, continuarão sempre a surpreender-nos).

 

 



Infelizmente, do meu parco conhecimento das línguas nacionais angolana, somente sei o significado de alguns termos que, no dia-a-dia, são misturados com a nossa língua oficial, e criam aquele toque único no falar dos angolanos. Um desses termos é o “Kota”, que na língua Kimbundo, significa “mais velho”.

Deste modo, neste post apresento algumas dicas e sugestões retiradas, e ligeiramente adaptadas, do excelente site Peopleware, que se propõem serem úteis para quem ensina os mais velhos a usarem computadores e a navegarem na internet.

Dica 1

A primeira vez que estiver a ensinar alguém a lidar com o computador (e aqui não se englobam só as pessoas mais velhas mas também aquelas que dizem “não percebo nada de computadores”), é importante que se ensine o mais básico e mais fácil de executar, sem se utilizar linguagem “técnica”, mas sim linguagem acessível. Há que ter em conta que, a pessoa que está a ser ensinada pode nunca ter tido a oportunidade de mexer num teclado, e não sabe o que é “enter”, “espaço” ou “delete”, entre outros. É importante informar e esclarecer tudo à pessoa, dando informações do género “Um computador funciona assim…, liga-se/desliga-se desta forma…”. Caso seja necessário, e para a pessoa poder praticar em casa, pode sempre ir tomando notas do que lhe é ensinado.

Dica 2

Para muitos de nós, os atalhos no teclado são geniais. Mas decerto que quando nos iniciámos na informática, também aprendemos uma coisa de cada vez. Por isso também se aconselha a, quando ensinarmos as pessoas mais velhas (e aqui temos que ter em atenção alguns problemas de memória que possam existir), se utilize o rato para as operações, e não os atalhos do teclado, pois podem ser mais confusos e desmotivar à aprendizagem.

Dica 3

Esta terceira dica dedica-se à prática de digitação. Isto é, nós sabemos que, se hoje escrevemos rápido no computador, isso deve-se aos muitos anos e prática que nele temos. Pois, ao ensinarmos pela primeira vez alguém, essa pessoa estará, durante alguns minutos, a escrever uma frase ou até 2/3 letras, isto porque nunca passou pela experiência. Desta formam quando estivermos a ensinar uma pessoa mais velha, ou mesmo de outra idade, devemos desafiá-la a praticar a digitação, isto é, a escrever uma frase ou duas por dia. Não devemos esquecer (pois podem haver problemas de acuidade visual), de colocar fontes grandes e o texto sempre visível, para motivar e promover à continuação da prática.

Dica 4

Depois das dicas mais básicas, chega a hora de entrar na Internet, e explicar o que é esse Mundo completamente diferente. Nesta fase pode-se começar por indicar como entrar na Internet (indicar o Icon, por exemplo), e, uma vez a navegar, mostrar alguns sites úteis (também adequados aos interesses da pessoa que está a ser ensinada), como por exemplo, sites de informação, entretenimento, desporto, culinária, pesquisa! Mas, de forma geral, é importante informar o que é a Internet, e de que forma é que, esta rede funciona.

Dica 5

Apesar de ser a última, esta dica não deixa de ser muito importante. Aconselha-se a que, quando se dedicar a ensinar alguém mais velho a lidar com computadores e Internet, os incentive à prática. É errado pensar-se que uma vez aprendido, nunca se esquece, pois com os computadores não é assim. É necessário praticar-se para se saber e não se esquecer. Então é importante que, em tempos livres, lhes peça para irem explorando coisas no computador. A instalação de serviços de conversação é também um grande motivador para passarem mais tempo no computador e irem percebendo mais a dinâmica deste.

Fonte dicas: Peopleware

photo

 

Está Ficando Cada Vez Mais Sério!

Este é um daqueles assuntos que só damos importância quando sentimos na pele os seus efeitos, porém tal atitude coloca em causa a nossa capacidade de raciocínio lógico, a capacidade que nos define como seres racionais.

Ao procurarmos a solução de um problema quando dispomos de dados como um ponto de partida e temos um objectivo a estimularmos, mas não sabemos como chegar a esse objectivo temos um problema. Mas se depois de examinarmos os dados chegamos a uma conclusão que aceitamos como certa, concluímos que estivemos raciocinando. Se a conclusão decorre dos dados, o raciocínio é dito lógico.

Pois é, se pararmos e analisarmos o conceito de Raciocínio Lógico, facilmente tomamos um susto porque, tal como em um diagnóstico médico, os nossos comportamentos podem indicar que algo de tão grave está a acontecer em nossas consciências.

O Problema? Aquecimento Global! Caracterizado pelo aumento da temperatura média dos oceanos e do ar perto da superfície da Terra, este fenómeno tem como principal agente causador o homem, que “hipnotizado” por alguns dos seus feitos e obras se tem desleixado com o impacto ambiental de seus actos.

O Dados? Há anos que deixaram de ser simples projecções estatísticas e passaram a protagonistas de inúmeros episódios climáticos, e dispondo de muito tempo de antena e cobertura, tornaram-se verdadeiras estrelas dos canais noticiosos.

Elevadas ondas de calor,  chuvas de proporções bíblicas, avanço da desertificação dia após dia, fortes furacões causando mortes e destruições em várias regiões e o degelo nas zonas polares, ocasionando o avanço dos oceanos sobre cidades do litoral, são alguns dos vilões nesta trama ecológica.

A Solução? A resposta pode ser dada pensado em quem detém o poder na tomada das decisões que podem até mover montanhas, os tais que sentados em “mesas redondas” vão superando às leis da física, e fazem o mundo girar ao seu belo prazer. Contudo, não esperando as directrizes das instâncias superiores, podemos com pequenos gestos colaborar para a alteração do estado actual do clima planetário.

Só não vê quem quer, preferindo desfrutar da felicidade que a ignorância, na sua inocência, nos proporciona. Mas se não quer que os belos pássaros assem enquanto exercitam os seus acordes naturais, ou se não quer passar a ir visitar o seu amor a nado, o melhor mesmo é tentar aplicar algumas das dicas que apresento a seguir:

1. Troque suas lâmpadas incandescentes por fluorescentes
Lâmpadas fluorescentes gastam 60% menos energia que uma incandescente. Assim, você economizará 136 quilos de gás carbónico anualmente.

2. Limpe ou troque os filtros o seu ar condicionado
Um ar condicionado sujo representa 158 quilos de gás carbónico a mais na atmosfera por ano.

3. Escolha electrodomésticos de baixo consumo energético
Procure por aparelhos com o selo Energy Star

4. Não deixe seus aparelhos em standby

Simplesmente desligue ou tire da tomada quando não estiver usando um electrodoméstico. A função de standby de um aparelho usa cerca de 15% a 40% da energia consumida quando ele está em uso

5. Mude sua geleira de lugar
Ao colocá-las próximas ao fogão, elas utilizam muito mais energia para compensar o ganho de temperatura. Colocar roupas e ténis para secar atrás deles então, nem pensar!

6. Descongele geleiras antigas… se é que você ainda tem um!
Se for o caso, considere trocar de aparelho. Os novos modelos consomem até metade da energia dos modelos mais antigos, o que subsidia o valor do electrodoméstico a médio/longo prazo

7. Feche suas panelas enquanto cozinha
Simples, não? Ao fazer isso você aproveita o calor que simplesmente se perderia no ar. Já as panelas de pressão economizam cerca de 70% do gás utilizado!

8. Use a máquina de lavar roupas/louça só quando estiverem cheias
Caso você realmente precise usá-las com metade da capacidade, seleccione os modos de menor consumo de água. Se você usa lava-louças, não é necessário usar água quente para pratos e talheres pouco sujos. Só o detergente já resolve

9. Tome banho de chuveiro
E de preferência, rápido. Um banho de banheira consome até quatro vezes mais energia e água que um chuveiro

10. Use menos água quente
Aquecer água consome muita energia. Para lavar a louça ou as roupas, prefira usar água morna ou fria

Pense Verde, Proteja o Planeta!

PS.: A excepção do conceito de Raciocínio Lógico e das 10 Dicas,  todo o resto provém de “relatórios” resultantes de minhas criteriosas observações munido com a minha magnífica lupa. 😉

De forma sucinta, o MS SQL Server é definido como sendo o SGBD – sistema de gestão de Base de Dados Relacional criado pela Microsoft. E por seu turno, um Sistema de Gestão de Base de Dados (SGBD) é o conjunto de softwares responsáveis pela gestão de uma base de dados. O principal objectivo é retirar da aplicação cliente a responsabilidade de gerir o acesso, a manipulação e  a organização dos dados.

Agora, com os conceitos apresentados e cumprida as formalidades iniciais :-), deixo aqui uma excelente referência para quem queira aprimorar as sua habilidades no SQL Server 2008, criando sistemas avançados para obtenção de Informação e descoberta de Conhecimento nas suas bases de dados, usando as ferramentas já integradas no SQL Server 2008.

Para tal, basta aceder à página de vídeos da Rede de Desenvolvedores Microsoft (MSDN):

Videos Aulas

Nesta página poderá encontrar vídeos relacionados com:

Condição imprescindível para que possa realizar as tarefas é a prévia instalação do MS Visual Studio 2008 SP 2 ou Visual Studio 2010 (Política MS: Facturar, facturar, facturar! :-)).

Semestre “terminado” (entre aspas por existirem ainda as benditas provas da CISCO na fila, aguardando por processamento ;-)), e vamos dar início a meia-maratona de informações que, felizmente, para uns ou, infelizmente, para outros, será dominada pelas tecnologias livres e de código aberto.

Nos próximos dias serão apresentados temas relactivos  a três importantes áreas das tecnologias de informação, sendo o desenvolvimento de software, a administração de sistemas e a administração de base de dados.

Como aperitivo, começo hoje por apresentar o conceito de LAMP. LAMP é um acrônimo para um conjunto de soluções de software livre, formado pelas primeiras letras de Linux (sistema operativo), Apache HTTP Server, MySQL (software de banco de dados relacional) e PHP (linguagem de programação interpretada), juntos contituem os principais componentes para implementação de um servidor web robusto.

O conjunto de software incluso no pacote LAMP pode variar, especialmente no que diz respeito à linguagem de programação, podendo ser substituida por Java, Python, Perl, entre outras. Existem ainda termos similares para descrever o conjunto de softwares “AMP” em execução em outros sistemas operativos, tais como o MS Windows  (WAMP),  Mac OS  (MAMP),  Solaris  (SAMP), ou OpenBSD  (OPAMP).

Esta combinação de software tornou-se popular porque é gratuita, de código aberto e, portanto, facilmente adaptável, e por causa da omnipresença de seus componentes que são empacotados com a mais actuais distribuições Linux.

Fonte: Wikipedia (adaptado)

Começo este post com um singelo pedido de desculpas pela demora em apresentar as minhas ilações resultantes da participação do 1.º Tech Meeting. Os culpados até que não são tantos, mas deixarei para outra ocasião a crucificação dos mesmos. lol

Retomando ao foco principal deste post, eis aqui uma pequena operação matemática que é motivo certo de orgulho para todos que tornaram possível o primeiro “passo” do Tech Meeting:

Responsabilidade + Competência = Sucesso

Dissecando, a responsabilidade esteve patente em todo o processo organizativo do evento: antes, no decorrer e no culminar do mesmo. Recepção calorosa, e com distribuição individual das “ferramentas” necessárias para o acompanhamento e reprodução dos exemplos apresentados pelos distintos oradores; cumprimento do horário e total coerência com a agenda de actividades.

A competência reflectiu-se nos oradores ao, da melhor forma, transmitirem os conhecimentos e ao deliciarem-nos com o que de mais actual há em termos de metodologias de desenvolvimento de software em ambiente profissional.

Tal como anunciado, o foco principal do evento foi o desenvolvimento de aplicações web usando a tecnologia Java e, nesta ordem de ideias, decorreram os trabalhos, à excepção das apresentações sobre CSS vs CSS Sprite, tratando-se esta de uma linguagem de estilo, e sobre Importância de Testes em Software.

Em destaque estiveram as apresentações que se debruçaram essencialmente nas tecnologias JavaServer Pages (JSP), JavaServer Faces (JSF) e Java Persistence API (JPA),  inclusas na plataforma Java EE 6 e apresentadas nas suas mais recentes versões: JSP 2.2, JSF 2.0 e JPA 2.0.

E assim, de forma bem resumida, decorreu a primeira edição do tech meeting, superando expectativas e alcançando o sucesso merecido. Caso esteja interessado em obter mais informações referente a esta edição (apresentações, trabalhos produzidos e fotos), bem como das edições subsequentes, visite o site oficial:

www.tmangola.net

À 1 de Maio de 2010, poderemos uma vez mais assistir e participar de uma actividade que visa promover  o desenvolvimento profissional da comunidade de TIC angolana, por meio de intercâmbio de conhecimento e experiência, sendo este o melhor reflexo do espírito cooperativo e evolutivo, que se pretende presente no “kernel” da comunidade.

Este evento denominado TechMeeting, tem como organizador o grupo Tarrimbo,  composto por estudantes e profissionais no campo das TICs.

Link Relacionado:1.º Tech Meeting – Materialização de um projecto!

Ctrl+Alt+Del – que maravilha de combinação! 🙂 Para todo fiel utilizador do windows estas são as teclas que em momentos de pânico ligeiro, fazem parte dos primeiros passos de socorro. (Ligeiro sim! Nunca nos devemos esquecer do Blue Screen of Death onde neste caso a coisa fica preta, ou melhor, Azul! lol).

Contudo, em algumas versões do Windows, esta combinação não abre somente o Gestor de Tarefas (Task Manager), aplicativo em que se pode visualizar os processos em actividade no momento e fechar o que está causando conflito ou instabilidade. É sim aberta uma nova janela, num ambiente visual diferente, onde o utilizador pode efectuar o logoff, trocar senha, iniciar o gestor de tarefas e desligar computador.

Por ser um pouco incómoda, deixo aqui a combinação de teclas que efectua directamente a abertura do Gestor de Tarefas do Windows:

Ctrl+Shift+Esc

HISTÓRIA

A combinação de teclas Ctrl+Alt+Del foi criada por David Bradley, em 1980. Ele foi um dos 12 funcionários envolvidos na criação do PC da IBM. Na época, os engenheiros perceberam a necessidade de desenvolver uma maneira simples de reiniciar um computador quando ele travasse. E Bradley então escreveu o código. Wikipedia